meu amigo ermitão

naoto_frog_prayerAmigo meu me entregou uma carta ontem, pediu que eu a transcrevesse e a publicasse porque ele agora é ermitão e vive numa caverna sem energia nem conta bancária. Peço desculpas pelo sumiço, estava fora dando uma força amiga ao cara. Por tudo o que ele me contou, sinto-me na obrigação de repassar publicamente a mensagem adiante. E que trabalho feladaputa que deu pra transcrever tudo, viu. Isso porque meu tempo nem custa tão caro assim, quando não é de graça ou “em nome da causa”. Sem maiores firulas, porém, ei-la:

“Baby,

Hoje, 25 de abril, é o Dia Internacional do Combate à Alienação Parental e passei o dia escrevendo esta carta ao invés de terminar uma tradução mais do que atrasada, a quinta ou sexta seguida, o que provavelmente me custará outro emprego, já três de lá pra cá: desde que fui obrigado a parar de trabalhar pra passar a me defender.

Tentar explicar que não, aquilo passava longe de ser sobre ter direitos iguais, aquilo era abuso de poder, era o bom e velho autoritarismo do patriarcado sem reconhecer os direitos do outro e respeitá-los assim como quer e merece ter os seus respeitados. Pois não pense que não trairei de volta se for traído. Que não mentirei de volta se me for contada uma mentira. Que não gritarei de volta quando comigo gritarem. Que não baterei de volta em quem… opa. Aí, não. Num caso extremo, depois de mordidas e patadas e tapas e socos e cabeçadas na parede e quedas e camisetas rasgadas ou murros na porta, meu conselho, talvez o único a mim mesmo por mim aceito, sempre foi: foge, sai de perto, nem que pra isso seja destruindo tudo de inorgânico pelo caminho. Ainda assim: e se fosse eu esmurrando a porta alheia?”

continue lendo no ornitorrinco.

o amigo ermitão agradece a todos os envolvidos. cumplicidade.

Advertisements

About caco ishak

deu pau no servidor da verbeat
This entry was posted in all real, articulices caquéticas, blissett, cowboy, inéditos, prosa curta. Bookmark the permalink.