alícia no país dos milagres

em orlândia, 16h20.

1o ato:  Visita à Catedral do Avivamento.

2o ato: Reconstituição Onírica dos Fatos.

não dá pra dizer que foi “minha volta ao jornalismo” porque não foi. há poucos meses, mesmo, estive na Colômbia aprontando das minhas pro próximo romance, romance esse que terá uma bagagem investigativa bem pesada. vinha ensaiando esse retorno desde as Jornadas de Junho, quando comecei a publicar aqui no ciao cretini ou diretamente nas mídias sociais minhas “peças jornalísticas”, aí sim, após um hiato de cinco anos que se sucederam especificamente: à matéria sobre barebacking recusada por todos os impressos a quem sugeri publicação até ser veiculada no então maior jornal carioca (um dos que recusou) sem os devidos créditos e com os cortes que todos os tais veículos tinham me contra-sugerido como condição de publicação (o material estaria “pesado”, como se a realidade fosse mais leve: anos depois, a matéria foi usada nos tribunais como “prova” de minha “perversão moral”); à desilusão pós-fde com a “vida coletiva” em si.

mas dá pra dizer sim que foi “minha volta a uma redação em busca de uma pauta encomendada”. e foi bom bragarai. não só por ter retomado contato pós-baixocalão com o Guilherme Caldas e termos desenrolado essa missão em coisa de cinco dias (congrats, parça), não só por estar trampando junto com gente do naipe da Laura Capriglione, da Joana Brasileiro, Marlene Bergamo, Flávia Martinelli, não só por bem ou mal estar retomando um capítulo coletivo da minha vida midialivrista com os Jornalistas Livres, como sobretudo: pela pauta em si. desculpem um ou outro deslize, portanto. estamos desenferrujando.

e a história em si é tão sem pé nem cabeça que rolou até um TOP5 deus ex machina ao longo da jornada, mais precisamente a partir do momento em que: fui descoberto. ou deixei-me descobrir. qual seja: quando resolvi tocar a campainha da mansão orlandina dos Feliciano. daí em diante: deu pau no iPhone onde estava gravado (quase) todo o material que eu tinha produzido, deu pau na rede WPA2 do vizinho, deu pau no meu 3G, deu pau até no GPS interno que nunca funcionou lá muito bem. em suma: muito pau pra pouca comunicabilidade. na real: comunicabilidade zero. ainda assim: saiu.

boa (e paciente) leitura.

ALICIA_13

Advertisements

About caco ishak

deu pau no servidor da verbeat
This entry was posted in all real, articulices caquéticas, blissett. Bookmark the permalink.