Category Archives: inéditos

a cigana e o maquinista

deve ter sido alguma insolação alguma supernova mais ao sul ao sudoeste de um canto perdido teu retrato em branco e preto teu busto banhado de vinho tua voz confinada num quarto geralmente não dou trela pra telenovelas mas até … Continue reading

Posted in inéditos, versos fandangos | Comments Off on a cigana e o maquinista

há quem idealize aos nervos há que se materializar na carne — há sempre quem chupe um osso há quem não assista à última temporada há que se adiar o fim da vida

Posted in inéditos, versos fandangos | Comments Off on

vou te contar…

dia em que se comemoram os vinte anos da passagem de Tom Jobim e a festa não podia ser em melhor companhia: Vinicius Jatobá, Susana Fuentes, Angela Dutra de Menezes, Marcelo Moutinho, André de Leones, Silviano Santiago, Monique Revillion, Sandra … Continue reading

Posted in coletâneas & agremiações, dois conto, inéditos, participações | Comments Off on vou te contar…

mallarmargens

três poemas meus na revista mallarmargens. um inédito: quando o poeta acordou sua voz ainda estava lá

Posted in inéditos, versos fandangos | Comments Off on mallarmargens

coming soon

em belém, o lançamento ocorre durante a abertura da semana do trânsito, no hangar, a partir das 11h do dia 18 de setembro, quinta. se liga no projeto não foi acidente. “Minha mãe ficou desfigurada. Sem pálpebras, sem dentes, mal … Continue reading

Posted in coletâneas & agremiações, dois conto, inéditos | Comments Off on coming soon

em construção

a casa que não construí pra mim era habitada por fantasmas aquele velho clichê mas os fantasmas que habitavam a casa que não construí pra mim não tinham correntes nem toalhas encharcadas de lençóis dormidos não pregavam os olhos pelas … Continue reading

Posted in inéditos, versos fandangos | Comments Off on em construção

nerval

dois poemas (e meio) inéditos, cinco no total. aqui, na revista nerval (filhote da flaubert). abaixo, um dos inéditos:   spotless o segundo passo é sempre o mais custoso é sempre um susto que arrasta o primeiro às vezes, nos … Continue reading

Posted in inéditos, participações, versos fandangos | Comments Off on nerval

cumplicidade em versos soltos

prometi não escrever uma linha palavra que fosse sobre a gente que este seja apenas o primeiro posto que passa o que não acaba então, que dure até um novo poema embrulhado se acabou numa traição (autotraição, autoboicote) recomeça-se tudo … Continue reading

Posted in inéditos, versos fandangos | Comments Off on cumplicidade em versos soltos

87%

Bom e velho Jurunas. Música alta estourando de toda e qualquer casa que se preze, toda e qualquer coisa que se mova. Escoadouros de chão batido entrecortando o asfalto onde o sol é mais sol em Belém. Arborização, só prensada … Continue reading

Posted in cowboy, inéditos | Comments Off on 87%

63%

Eu, cowboy. Desbravando sinais fechados. Relinchando pneus a cada esquina. Tocando o terror no meu berrante. Saltando lombadas. Dando pinote em buracos. Descendo o chicote no lombo dos meus sessenta e cinco cavalos.

Posted in cowboy, inéditos | Comments Off on 63%