cowboy no rascunho

eu-cowboy rascunho caco-ishakClayton de Souza fez uma leitura bem interessante do Eu, Cowboy. interessante mesmo.

a começar pela inversão da premissa: “a ‘nova geração’, tão perdida quanto a do narrador”.

e de Kerouac. Céline. Her-mano, Man-o-ela. tudo a mesma coisa.

o Cowboy, só mais uma ponta da pirâmide (do que ele, evidente, não tem consciência, vide o primeiro parágrafo extraído do romance na resenha).

ao que vale lembrar, complementando, já na quarta do tetraedro: apenas duas personagens se valem do “tu” corretamente, Mailô e a prima de Carlo, ambas en passant.

Se por um lado a linguagem torna-se personalíssima pela variação diastrática do meio em que Carlo e seu bando circulam, por outro o ritmo frasal e as extensões dos períodos vão se modalizando de acordo com os movimentos internos do personagem, bem como nas situações e ambientes nos quais se encontra (…) o autor entende o que o conteúdo demanda, e lida a seu modo com a questão.

agradeço o Clayton pelo tempo e cuidado (de costume) dispensados ao livro, o mesmo valendo às demais leituras, claro, e o Rascunho por espaço tão prestigioso.

pa’ la lupa, clica en la imagen.

Advertisements

About caco ishak

deu pau no servidor da verbeat
This entry was posted in clipping, cowboy. Bookmark the permalink.