as primeiras lápides com hashtags

As garçonetes todas mulheres, a porção de tripa, a generosidade da carne de sol afundada na cebola e em miúdos pedaços de tomate. Os últimos jornalistas boêmios. Os últimos jornalistas. Os novos poetas que dominam o texto & o delírio, os quais acabara de ouvir declamando no Mirante dos Poetas e agora bebiam comigo.
“As primeiras lápides com hashtags”, declamou Caco Ishak, de Belém do Pará, e aquele verso ficava rimbombando na minha cabeça.

 

jotabê medeiros escreveu um belo texto sobre o bar do léo, em são luís, e teve a generosidade de enfiar um trechinho do “eu, cowboy” ali pelo meio, e que acabou dando título à crônica. gratidão, mestre. os últimos mestres.

celso incluso. valeu demais o convite, mesmo, apesar da minha “cara de bunda”. não parecia, mas eu gozava por dentro.

Advertisements

About caco ishak

deu pau no servidor da verbeat
This entry was posted in clipping, cowboy. Bookmark the permalink.