a cigana e o maquinista

deve ter sido alguma insolação
alguma supernova mais ao sul
ao sudoeste de um canto perdido

teu retrato em branco e preto
teu busto banhado de vinho
tua voz confinada num quarto

geralmente não dou trela
pra telenovelas mas até nisso
minha vida se provou um seriado

e viveria muito bem como ator
porque só eu sei mentir desse jeito
sou eu quem peruca pra rodar bolsinha

só não danço
mal acompanhado
nem sozinho

talvez daí a insolação
em plena madrugada

tamanhas duas da manhã

porque só eu, só eu sei
o quanto se pode viver sem amor

talvez só prefira
todavia, se pra tanto
permanecer no anonimato
por trás dos panos

a continuar jogando cartas na coxia
blefando sobre quem não sou

Advertisements

About caco ishak

deu pau no servidor da verbeat
This entry was posted in inéditos, versos fandangos. Bookmark the permalink.