cumplicidade em versos soltos

prometi não escrever uma linha
palavra que fosse sobre a gente

que este seja apenas o primeiro
posto que passa o que não acaba

então, que dure

até um novo poema embrulhado

se acabou numa traição
(autotraição, autoboicote)
recomeça-se tudo outra vez

agora, sim, eu sei
nada mais é necessário

(das expectativas que tive até hoje
prefiro a de quem já não se engana
e bota a ansiedade pra dormir)

a dor de memorandos e etiquetas e
esgrimas e contas pagas e teu coração
numa forquilha que eu julgava nossa

essa dor não vale a
tranquilidade de uma página
virada atrás da outra e a seguinte

não vale cada ponto final dum parágrafo

sou o que já não quer mais representar
o anti-herói na orelha de best-seller que seja
muito menos duma série na tevê

então, que dure

e durma e acorde sem
sonhos ou pontas de facas senão
entre o dormir e o acordar

simplesmente carregando
o abandono cotidiano nas costas

no colo

então, que dure

como um poema em versos soltos
na cumplicidade de sempre reescritos

Advertisements

About caco ishak

deu pau no servidor da verbeat
This entry was posted in inéditos, versos fandangos. Bookmark the permalink.